segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

XIX TROFÉU ORI-ESTARREJA E ORI-6 RELAY: JORNADA DUPLA DE GRANDE NÍVEL




Tiago Romão e Maria Sá espalharam a sua classe nas Dunas de Cantanhede e foram os grandes vencedores do XIX Troféu Ori-Estarreja. Já noite adentro, os Altos e Baixos souberam nivelar-se por cima e levaram de vencida a segunda edição da Ori-6 Relay.


A poucos dias de soprar dezanove velas, o Clube Ori-Estarreja brindou-nos com uma jornada dupla da melhor Orientação. Abrindo um ciclo de grandes provas - que só irá terminar em Fevereiro do próximo ano, com a organização do Portugal O’ Meeting em Vila Nova de Paiva, S. Pedro do Sul e Viseu – o XIX Troféu Ori-Estarreja chamou às Dunas de Cantanhede um total de 357 atletas, dos quais 282 nos escalões de competição e os restantes nos escalões de Promoção. Lá mais para o final do dia, a floresta voltou a abrir-se para uma Estafeta que contou com a participação de 13 equipas de seis elementos cada e abriu ainda a possibilidade a doze atletas de realizar um ou mais percursos abertos.

Regressando a um dos seus palcos de eleição, o novel clube da beira-ria apresentou uma proposta aliciante, mesmo irrecusável. Uma manhã de Orientação para uma prova de Distância Média pontuável para a Taça de Portugal de Orientação Pedestre 2011 (nível 2), a fazer apelo à enorme concentração em terrenos rápidos, com boa visibilidade e onde o micro-relevo é rei. E depois, para terminar o dia na melhor das formas, uma Estafeta onde a falta de luz natural, já na segunda metade da prova, foi o grande obstáculo. Mas também o maior desafio!


Tiago Romão vence e convence

Debelados que parecem estar os problemas que o afectaram no início da temporada, Tiago Romão (ADFA) evidenciou uma superior adaptação ao mapa e às características do terreno, impondo-se de forma imperial à concorrência. Num percurso praticamente isento de erros, Romão precisou de 33.24 para cumprir 6,6 km de prova, deixando o segundo classificado, Manuel Horta (GafanhOri) a distantes 4.17. A contas com problemas no tendão de Aquiles, Miguel Silva (CPOC), o vencedor do ‘ranking’ da Taça de Portugal na temporada transacta, quedou-se pela terceira posição com mais 4.33 que o vencedor.

No sector feminino, a luta esteve ao rubro, com apenas 1.31 de diferença a separar as cinco primeiras classificadas. Maria Sá (GD4C) foi de novo superior às suas adversárias e venceu com o tempo de 36.49 (5,2 km, 23 pontos de controlo). Em época de estreia no escalão maior, Mariana Moreira (CPOC) continua a ameaçar a vitória e repetiu o segundo lugar de Coruche e Quiaios, a escassos 32 segundos de Maria Sá. A checa Stepanka Betkova (Ginásio) voltou a evidenciar-se (tinha sido segunda classificada no Meeting de Gouveia) e concluiu desta feita na terceira posição, com o tempo de 37.56. Colectivamente, a vitória sorriu ao Grupo Desportivo dos Quatro Caminhos com 1737,10 pontos, seguindo-se-lhe o Clube de Orientação do Centro com 1625,10 pontos. Ginásio Figueirense, GafanhOri e Clube Português de Orientação e Corrida, ocuparam por esta ordem as posições imediatas.


Resultados

Homens Elite
1º Tiago Romão (ADFA) 33.24
2º Manuel Horta (GafanhOri) 37.41
3º Miguel Silva (CPOC) 37.57
4º Joaquim Sousa (COC) 38.15
5º Gildo Silva (COC) 40.01
6º Tiago Gingão Leal (GafanhOri) 41.00
7º Luís Leite (GD4C) 43.55
8º Nélson Santos (COC) 44.45
9º Jorge Almeida (Ginásio) 45.26
10º Ricardo Vieira (Amigos da Montanha) 46.05

Damas Elite
1º Maria Sá (GD4C) 36.49
2º Mariana Moreira (CPOC) 37.21
3º Stepanka Betkova (Ginásio) 37.56
4º Patrícia Casalinho (COC) 38.05
5º Raquel Costa (GafanhOri) 38.20
6º Joana Costa (GD4C) 39.59
7º Catarina Ruivo (COC) 42.39
8º Céu Costa (GD4C) 48.04
9º Isabel Sá (GD4C) 48.39
10º Ana Magina (CAOS) 51.10

Vencedores outros escalões
H/D11 – André Henriques (Esc Padre Donaciano) e Carina Cotovio (COA)
H/D13 – Samuel Silva (COC) e Sara Roberto (COC)
H/D15 – João Novo (.COM) e Inês Alves (GD4C)
H/D17 – Miguel Ferreira (ADFA) e Catarina Dias (GD4C)
H/D20 – Luís Silva (ADFA) e Susana Alves (GD4C)
H/D21A – Celso Moiteiro (COC) e Liliana Oliveira (CPOC)
H/D21B – Alexandre Espírito Santo (Ginásio) e Paula Ferreira (COA)
H/D35 – Rui Mora (Ginásio) e Susana Pontes (CPOC)
H/D40 – António Aires (Individual) e Anabela Vieito (COC)
H/D45 – Michael Finkenstaedt (OLV Uslar O-Portugal) e Luísa Mateus (COC)
H/D50 – José Fernandes (.COM) e Palmira João (COC)
H/D55 – Álvaro Coelho (Ginásio) e Fernanda Ferreira (DA Recardães)
H/D60 – Francisco Coelho (Clube TAP) e Karin Larsson (OK Kompassen O-Portugal)
H65 – Frank Finkenstaedt (OLV Uslar O-Portugal)
H70 – José Grada (Individual)


Mais “Altos” que “Baixos”

Pelas 16h30 assistiu-se à partida do Ori-6 Relay, uma prova de Estafeta para equipas de seis elementos, lançada com enorme sucesso no ano passado e que motivou uma grande dose de entusiasmo entre os participantes. Poucos, é certo, mas muito bons participantes. A luta pela vitória começou a desenhar-se logo no primeiro percurso, acabando por se resumir a três as equipas que se mostraram à altura do desafio.

Começou melhor a ADFA A, com Jacinto Eleutério a ser o mais rápido e a lançar Bernardo Pereira na primeira posição. Vítor Rodrigues fez um segundo percurso de grande categoria e dava ao CPOC uma ligeira vantagem. Foi então a vez de Miguel Ferreira entrar em cena, bater toda a concorrência por larguíssima margem e lançar de novo a ADFA A para o comando das operações à entrada para a segunda metade da prova. Com o CPOC já praticamente fora de combate, Luís Silva (ADFA A) e João Mega Figueiredo (Altos e baixos) entregaram o testemunho para o quinto percurso lado a lado, depois de terem feito exactamente o mesmo tempo. Pedro Silva (Altos e Baixos) fez uma prova brilhante, impondo-se a Fábio Silva (ADFA A) e lançando Miguel Silva para o derradeiro percurso com 4.20 de vantagem. No tudo por tudo, Tiago Romão (ADFA A) quase anulava a desvantagem – chegou mesmo a liderar a prova -, mas a vitória acabou por sorrir aos Altos e Baixos com o tempo de 4.06.06, contra os 4.06.33 da ADFA A. A terceira posição coube ao CPOC com 5.40.25.

Resultados

1º ALTOS E BAIXOS 4.06.06
Norman Jones 28.02
Manuel Dias 1.02.41
3º António Aires 1.48.31
4º João Mega Figueiredo 2.37.49
5º Pedro Silva 3.17.11
6º Miguel Silva 4.06.06

2º ADFA A 4.06.33
Jacinto Eleutério 27.50
Bernardo Pereira 1.12.33
Miguel Ferreira 1.48.30
Luís Silva 2.37.48
Fábio Silva 3.21.37
Tiago Romão 4.06.33

3º CPOC 5.40.25
Acácio Porta Nova 28.50
Vítor Rodrigues1.02.22
Susana Pontes 1.53.44
Mariana Moreira 3.12.29
José Pires 4.30.57
Rui Botão 5.40.25


Porquê pérolas?

Uma nota final para o labor organizativo do Ori-Estarreja. Se é certo que os mapas e terrenos são sempre os aspectos mais valorizados numa prova de Orientação, não é menos certo que há muita coisa que vem por acréscimo e acaba por fazer a diferença. E se estes mapas e terrenos de Cantanhede são do melhor que há para a prática da modalidade, o cuidado posto nos meios à disposição dos participantes merece nota particularmente elevada.

Não pode deixar de se particularizar um aspecto que chamou à atenção na etapa da manhã e que se prende com a utilização dos recursos informáticos. Ao dispor dum ‘speaker’ de excelência como é Bruno Nazário, o Ori-Live, de Franclim Sá, disponibilizou informação a partir de vários pontos-rádio espalhados pelo terreno, permitindo assim o acompanhamento em tempo real das principais incidências da jornada. Mas quantos tiraram partido – e prazer! – deste trabalho espectacular? A cultura do orientista, na generalidade, é dum individualismo que não se compadece com “pormenores”, recusa o convívio e refuta a Arena. Afinal, tanto cuidado para tão pouco proveito. Vale a pena pensar nisto!


Saiba tudo sobre o XIX Troféu Ori-Estarreja e Ori-6 Relay, visitando as respectivas páginas, ou consulte o site do Clube de Orientação de Estarreja em http://www.ori-estarreja.pt/.

Saudações orientistas.

JOAQUIM MARGARIDO

Sem comentários: